logo_tucum

Tucum

Negócio de Impacto

tucum

promove o encontro das pessoas dos centros urbanos com os povos da floresta

A Tucum é um negócio de impacto criado em 2012 que promove o encontro das pessoas dos centros urbanos com os povos da floresta por meio de sua arte e manifestações estéticas. Comercializando itens para o corpo, casa, além de arte e artefatos, difunde os saberes ancestrais de dezenas de povos indígenas brasileiros. O trabalho possui o selo Origens Brasil.

A empresa lançou um marketplace que vai reunir lojas dos grupos indígenas que produzem artesanato e com os quais vem trabalhando em sua atuação. Para isso, deu início a uma experiência de ensino à distância junto a lideranças indígenas sobre vendas online em artesanato. Representante do Brasil na etapa final da segunda edição do Prêmio Empreender com Impacto Latam em 2020, a Tucum ficou em segundo lugar dentre seis semifinalistas e recebeu um prêmio de 10 mil dólares para impulsionar o negócio.

“Criar a Tucum tem muito a ver com a minha experiência pessoal com a Amazônia. Em como eu fui impactada pela minha ignorância. Porque eu não tinha a dimensão da diversidade desses povos. Tudo o que eu fiz até hoje foi muito movido pela beleza das coisas, pela arte. E quando eu tive contato com o artesanato que essas comunidades produziam, realmente fiquei muito impactada. ”Amanda Santana, sócia-fundadora e diretora criativa da Tucum

raio-x

Cidade/estado

Teresópolis - RJ

Fundação

2013

Natureza do negócio

microempresa

Modelo

B2C

Fundadores:

Amanda Santana e Fernando Niemeyer

Tamanho da equipe:

4 colaboradores

Patente

Não

Fase do negócio

organização do negócio

Ano de entrada no programa:

2020

Valor total captado

R$ 371.472,00

O que resolve

Promove o acesso de artesãs, artesãos e artistas indígenas ao mercado consumidor por meio de uma plataforma de marketplace.

impacto

A rede de fornecedores da Tucum envolve 2.500 artesãs e artesãos em 31 terras indígenas/ áreas protegidas, representando 54 etnias/povos tradicionais. Gera renda de forma sustentável, promove valorização da cultura, empoderamento das mulheres e circulação pelo território, sendo um contraponto ao envolvimento com atividades ilícitas, como garimpo e madeira.

Produto/mercado

Itens de artesanato indígena para corpo, casa, arte e outros artefatos.

logo_seringo

Seringô

Negócio de Impacto

seringô

promover a revitalização da borracha na Amazônia

Promover a revitalização da borracha na Amazônia, gerando renda com inclusão, evitando o desmatamento e resgatando a identidade seringueira é o que move o trabalho da Seringô.

Por meio do extrativismo sustentável orgânico do látex nativo, utilizando tecnologia social e envolvendo povos indígenas, seringueiros, ribeirinhos, quilombolas e assentados da reforma agrária, são produzidos chinelos orgânicos de borracha nativa e fibras vegetais, além de utensílios, biojoias, acessórios e embalagens.

“Conseguimos fazer com que os seringueiros sejam empreendedores e produzam, a nível de campo, uma borracha melhorada. Assim, na Cooperativa eliminamos a parte mais cara e poluente da cadeia produtiva da borracha, que é a usinagem. Para a limpeza de cada quilo de borracha uma usina de beneficiamento usa 10 litros de água. Nós não usamos água. O seringueiro produz uma borracha limpa e com pouca umidade, que chega à cooperativa e segue direto para a produção”,aponta Francisco Samonek, fundador da Seringô

raio-x

Cidade/estado

Castanhal - PA

Fundação

1994

Natureza do negócio

Cooperativa

Modelo

B2B2C

Fundadores:

Francisco Samonek e Maria Zelia Machado Damasceno

Tamanho da equipe:

84 colaboradores

Patente

sim

Fase do negócio

pré-escala

Ano de entrada no programa:

2019

Valor total captado

R$300.000,00

O que resolve

Revitalização da borracha na Amazônia, gerando renda, inclusão e autonomia aos produtores familiares, além de evitar o desmatamento.

impacto

Geração de renda (01 a 02 salários mínimos por família). Melhoria na qualidade de vida. Diversificação de fonte de renda (complementar ao açaí). Capacitações e treinamentos. Para cada quilo de borracha produzido, 01 hectare de floresta é preservado.

Produto/mercado

Acessórios para casa, biojoias, sandálias e tênis.

logo_racao+

Ração+

Negócio de Impacto

ração+

reaproveitar parte de resíduos orgânicos gerados por outras cadeias produtivas

Fabricar e comercializar ração para peixes a partir de matérias primas locais, reaproveitando parte de resíduos orgânicos gerados por outras cadeias produtivas e gerando acesso a um produto com preço competitivo ao pequeno agricultor familiar. Esse é o objetivo da Ração +, criada por Ronaldo Santana de Almeida em Presidente Figueiredo, no Amazonas, em 2014. O público de interesse é o pequeno produtor de baixa renda na região.

A empresa já possui experiência produtiva e de mercado, e atualmente está em processo de reestruturação, buscando adquirir maquinários, instalações, capital de giro e regularização jurídica e ambiental. O foco para fornecimento é a Região Metropolitana de Manaus.

“A ração chega a 80% do custo da produção do peixe, e a nossa meta é proporcionar o uso de produtos mais naturais reduzindo entre 15% e 20% os custos produtivos e agregando materiais bons que são descartados no lixo (por outras cadeias produtivas). O saco com proteína alta é vendido pela concorrência por R$ 130, e o meu sai por R$ 90”, diz Ronaldo Santana de Almeida.

raio-x

Cidade/estado

Presidente Figueiredo - AM

Fundação

2014

Natureza do negócio

MEI

Modelo

B2C

Fundadores:

Ronaldo Santana de Almeida

Tamanho da equipe:

1 colaborador

Patente

Não

Fase do negócio

pré-escala

Ano de entrada no programa:

2019

Valor total captado

R$400.000,00

O que resolve

Gargalos de acesso a ração a preço competitivo ao pequeno produtor familiar e destinação inadequada de resíduos orgânicos.

impacto

Geração de renda a comunidades locais (ração para peixe até 20% mais barata que no mercado). Reutilização de resíduos orgânicos. Valorização dos produtos locais.

Produto/mercado

Ração produzida a partir de produtos alternativos com foco nos produtores rurais da Região Metropolitana de Manaus e no meio ambiente.