202104DSF8726-1024x683

Campanha movimentou vendas online para negócios amazônicos no fim do ano de 2020

A continuidade da campanha Amazônia em casa, Floresta em pé no último trimestre de 2020 computou em vendas para os negócios amazônicos, somente via Mercado Livre, R$ 65.835,00, um aumento de 7,4% em relação aos meses anteriores.

Lançada em setembro passado como alternativa para ajudar a alavancar as vendas dos negócios amazônicos, prejudicadas pela pandemia da covid-19, a iniciativa despertou vários empreendedores para o comércio online e fez com que aqueles que já visualizavam essa possibilidade, ou mesmo que já davam seus primeiros passos nessa modalidade de vendas, acelerassem o processo.

A campanha contou com ativações em novembro, por conta da Green Friday, e em dezembro, estimulando compras com propósito no Natal.

Durante a Green Friday, a ativação da campanha se concentrou em empreendimentos que trabalham com artesanato e moda, e promoveu lives com as influenciadoras Mona Soares, Alessandra Luglio e Laura Mocellin Teixeira, que tiveram participação de Tainah Fagundes (Da Tribu) e de Francisco Samonek (Seringô), além da coordenadora do Programa de Aceleração e Investimento de Impacto da PPA, Ana Bastida.

Como parte da experiência da campanha, os negócios participantes sugeriram reverter 10% do valor das vendas de cestas de produtos (20 unidades, em tiragem limitada) para um dos negócios do portfólio do Programa de Aceleração da PPA, o Serras Guerreiras de Tapuruquara, que teve suas atividades – turismo indígena de base comunitária – completamente paralisadas por causa da pandemia.

Os negócios também trabalharam juntos na elaboração de um manifesto, que traduz o sentimento e o propósito da atuação conjunta, como grupo que se concentra em torno de um mesmo propósito, que é conservar a floresta, valorizar os saberes regionais e gerar renda para suas populações.

“Em uma experiência de cocriação, desenhamos junto aos empreendedores esta edição da campanha, com ainda mais propósito e fomento do consumo consciente de produtos amazônicos. Tivemos maior participação deles na definição das estratégias e ações, com a intenção de dar destaque para essa união entre eles, buscando o mesmo propósito”, avalia Guilherme Faleiros,  analista de novos negócios do Idesam.

A experiência da campanha na Green Friday é um dos cases citados no guia Jornada da Estratégia Comercial: um guia para negócios de impacto. Resultado de uma parceria entre o Mercado Livre e o ICE, a publicação apresenta uma jornada para orientar e nortear o empreendedor de impacto na construção e implementação da estratégia comercial de seu negócio.

Também em novembro, o movimento Amazônia em casa, Floresta em pé – que reúne as marcas e organizações empenhadas em gerar impacto social e ambiental positivo na Amazônia, e que promove as campanhas de ativação para incentivar as vendas online dos negócios participantes – ganhou um site próprio.No Natal, o foco da campanha foi ampliado para todos os negócios, incluindo gastronomia. Os empreendedores envolvidos divulgaram a movimentação em suas redes, e houve também ativação com duas influenciadoras: Day Molina, estilista e ativista indígena que promoveu uma live com participação de Amanda Santana (Tucum); e Bel Coelho, Chef do restaurante Cuia, em São Paulo, que preparou uma receita de baião de dois amazônico enquanto conversava com Joanna Martins (Manioca).

Negócios relatam boas experiências

Joanna Martins, CEO da Manioca, avalia que a ativação feita pelas lives com influenciadores impactou positivamente a visibilidade e as vendas do negócio. 

“Estar na plataforma do Mercado Livre por si só não daria nem metade do retorno que a gente registrou em vendas com as campanhas. Hoje o e-commerce representa 20% das nossas vendas, e esse percentual foi crescendo ao longo do segundo semestre graças a essa movimentação e às lives das quais a gente participou,” avalia.

Outro ponto destacado por ela é o reforço que a campanha virtual trouxe também para as vendas voltadas a food services e no varejo como um todo: “As campanhas foram fundamentais para a nossa sobrevivência no período da pandemia, e até mesmo para a retomada de faturamento, que talvez nem fosse possível sem a participação e esse aumento de vendas online.”

A CEO da Manioca aponta que a realização de lives com formadores de opinião em torno do movimento Amazônia em casa, Floresta em pé foi “uma boa sacada”, por conseguir engajar influenciadores com maior alcance em torno de um propósito comum. “Para nós, negócios pequenos, é mais difícil engajar um formador de opinião para apoiar uma marca. Mas convencê-lo a apoiar um grupo de marcas com propósito é mais viável. “

Para a Peabiru Produtos da Floresta, o apoio do Programa de Aceleração nessa frente de e-commerce foi importante para garantir um bom faturamento de vendas via Mercado Livre em 2020.

“Do faturamento que tivemos no último período do ano, cerca de 35% foi obtido graças às campanhas de Green Friday e Natal, ao engajamento nas campanhas e ao apoio prestado pelo Amazônia Hub na divulgação, comercialização e em parte da operação logística,” avalia Hermógenes Sá, Diretor da Peabiru.

“Em comparação ao período passado, são números que nos fazem crer que alcançaríamos resultados bastante significativos em condições normais. Nossa participação nesse movimento, tanto em questão de visibilidade como em vendas, nos faz apostar cada vez mais nessa parceria, acreditando que em um futuro próximo estaremos consolidados no mercado.”

Avanços na logística para produtos amazônicos

No período em que se desenvolveram as duas campanhas, a parceria entre Costa Brasil, Lothar Logística, Idesam e Climate Ventures, cujo objetivo é promover o acesso de marcas da sociobiodiversidade amazônica ao mercado nacional, se consolidou.

A Costa Brasil, especializada em transporte multimodal com atuação em todo o território brasileiro, se comprometeu a realizar franquias de transferência semanal de cargas nas rotas Manaus-São Paulo e São Paulo-Itajaí, além de armazenagem nas localidades de Manaus, São Bernardo do Campo, Guarulhos e Itajaí. Passou também a se responsabilizar pelo serviço de manuseio (etiquetagem e embalagem dos produtos).

O arranjo logístico representa grande avanço para os negócios que geram impacto positivo na Amazônia, facilitando o acesso aos produtos, trazendo redução de frete e rapidez de entrega, já que os produtos ficam armazenados no sudeste do país.  

A parceria inclui ainda a elaboração de estudo e assessoria de logística da cadeia de cada empreendedor, além de investimento em estações sustentáveis de carga em geral (contêineres), em ações de fomento à cadeia sustentável, disponibilização de ferramentas/sistemas para otimização de frete, dentre outros pontos.

“Em 2020 em especial ficou evidente o quanto é importante dominar essas operações para colocar os produtos de impacto da Amazônia em condições mais competitivas nos mercados do sul e sudeste do Brasil. Nós construímos uma série de soluções de armazenamento, transporte, distribuição e estocagem, que já estão colocadas à disposição dos negócios, e esperamos que no futuro as soluções cresçam cada vez mais”, avalia o coordenador do Programa de Aceleração da PPA e diretor de novos negócios do Idesam, Mariano Cenamo.

Próximos passos

O grupo que integra o movimento Amazônia em casa, Floresta em pé inclui 16 marcas amazônicas – das quais dez integram o portfólio do Programa de Aceleração da PPA – e é uma realização do Mercado Livre, Programa de Aceleração e Negócios de Impacto da PPA, Idesam e Climate Ventures. Tem co-realização de Amazônia Hub, Biobá e Instituto Auá, parceria da Costa Brasil, Lothar Consultoria e Logística e Origens Brasil e apoio institucional do Fundo Vale, Instituto Clima e Sociedade, Climate and Land Use Alliance e Instituto Humanize.

Após a movimentação de 2020, seus integrantes avaliam neste momento o desempenho das campanhas e traçam novos passos e possíveis datas para novas ativações, incentivando os negócios a se manterem ativos no e-commerce e a promoverem as marcas em suas redes sociais.

“O incentivo ao e-commerce e a visibilidade, resultados do movimento, foram importantes para dar o fôlego que esses negócios precisavam, diante do cenário adverso de pandemia. Mas, para além disso, o programa entende o valor de liderar esforços para abertura de novos mercados aos negócios da Amazônia, diante de desafios de logística e acesso a mercados peculiares da região. Para 2021, iremos potencializar nosso apoio ao movimento, buscando ativar novas campanhas, mas também criar uma frente de abertura de mercado para o B2B (empresas para empresas), buscando chegar no médio e grande varejo”, avalia Ana Bastida, coordenadora do Programa de Aceleração e Investimento de Impacto da PPA.

Matérias relacionadas

Tags: No tags

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *